terça-feira, 23 de outubro de 2012

Competição eclesiástica!!!



No último dia 07/10 tivemos a grande festa da democracia, o exercicio do voto secreto, soberanamente o eleitor foi á urna e "cravou" o seu desejo através do voto e aqueles que alcançaram o número suficiente; estão na expectativa da posse e trabalhar procurando cumprir suas promessas de campanha, e diga-se de passagem - "Cada Promessa?!"
Nós em Apucarana - PR temos o prazer de informar que três irmãos membros de nossa Igreja lograram exito e isto para um colégio de onze vereadores, acho que está de bom tamanho!
Mas!
O que fazer?
Com aqueles que se dispõe a derribar, prejudicar, impedir o seu irmão de fé?
O antídoto para isso foi dado por Jesus na ocasião do lava-pés. 
João declara: Depois que lhes lavou os pés, retomou o seu manto, voltou à mesa e lhes disse: "Compreendeis o que vos fiz? Vós me chamais de Mestre e Senhor e dizeis bem, pois eu o sou. Se, portanto, eu, o Mestre e o Senhor, vos lavei os pés, também deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais. Em verdade, em verdade, vos digo: o servo não é maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que quem o enviou. Se compreenderdes isso e o praticardes, felizes sereis. (João 13. 12 a 17 – Bíblia de Jerusalém)
Buscar para si ou empoderar a outrem não vejo como algo errado, as vezes errados e sujos são os motivos e os meios pelos quais muitos buscam o poder ou se aproximam de quem o tem. 
No tocante ao Episcopado a qual é uma posição de poder dentro da estrutura eclesiástica, Paulo escreveu: Fiel é esta palavra: se alguém aspira ao episcopado, boa obra deseja. 
É preciso, porém, que o epíscopo seja irrepreensível, esposo de uma única mulher, sóbrio, cheio de bom senso, simples no vestir, hospitaleiro, competente no ensino, nem dado ao vinho, nem briguento, mas indulgente, pacífico, desinteresseiro. 
Que ele saiba governar bem a sua própria casa, mantendo os seus filhos na submissão, com toda dignidade. 
Pois se alguém não sabe governar bem a própria casa, como cuidará da Igreja de Deus? 
Que ele não seja um recém-convertido, a fim de que não se ensoberbeça e incorra na condenação que cabe ao diabo. 
Além disso, é preciso que os de fora lhe dêem um bom testemunho, para não cair no descrédito e nos laços do diabo. - (I Tm 3. 1 a 7. Bíblia de Jerusalém) 
Interessante que Paulo não censura quem aspira ao Episcopado, antes ele diz da grandiosidade daquilo que é almejado e coloca requisitos para o aspirante.
Tanto a autoridade secular como a religiosa se tornam dignas quando entendem que foram instituídas para o serviço. 
Cada pessoa eleita tanto na esfera secular bem como na eclesiástica deve entender que ao ser elevado a posição de vereador, pastor, deputado, presbítero, presidente da república, bispo/a, ele/a recebe de Deus através do povo/Igreja uma função de serviço. 
Ou seja, ao subir a qualquer grau de governo, ele ou ela, na verdade tem que descer ao degrau mais baixo da hierarquia e tornar-se servo dos servos de Deus, servos e servas do povo. 
A meu ver embora não esteja entre as características listados por Paulo em I Tm 3. 1 a 7, episcopado é isso, posição de servo, o maior servindo ao menor. 
Tenho para mim que, essa é a lição do “Lava-pés”, o Senhor servindo aos servos. 
Infelizmente, nem sempre tal lição é entendida, aplicada ou cobrada e quem alcançou postos de lideranças usa o poder em beneficio próprio, para silenciar quem pensa diferente, ou para oprimir a quem eles deveriam servir.
 Esquecendo - se que, Aquele que eleva a qualquer posição seja no âmbito eclesiástico bem como no meio secular, assim declarou: "Àquele a quem muito se deu, muito será pedido, e a quem muito se houver confiado, mais será reclamado.”. (Bíblia de Jerusalém - Lc 12, 48)


sábado, 20 de outubro de 2012

Carta Aberta aos Assembleianos Paranaenses


Aos Pastores e Evangelistas Membros da Magna CIEADEP

(Convenção das Igrejas Evangélica Assembleias de Deus no Estado do Paraná)

...”Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões,

Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.

Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.

Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.

De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,

Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,

Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;

E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.

Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;

Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,

E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.....”

Filipenses 2:1-11

Disse Martin Luther King: Eu tenho um sonho!

Dentro de dias estaremos em Foz do Iguaçu – PR, para reunidos em Assembleia Geral Ordinária elegermos a nova Diretoria que regerá os destinos da mesma de 2013 -2015.

E como sonhar não prejudica a ninguém eis  aí.......

A CONVENÇÃO QUE EU SONHO

Eu sonho com uma Convenção

Comprometida com a obra e com a verdade,

Que saiba louvar e glorificar ao único Deus,

Que seu único desejo seja evangelizar os povos,

Cumprindo sua missão, sem precisar envolver-se com o mundo.

Eu sonho com uma Convenção

Que seja livre da política suja, mal feita e arranjada,

Dos políticos metidos a espertos e oportunistas,

Que se aproximam com segundas intenções,

Achando que comprarão alguns com o preço da enganação.

Eu sonho com uma Convenção

Em que cada pastor  decida por si só em quem votar

Sem ser forçado, manipulado ou até mesmo obrigado,

Apenas para alimentar o ego de quem o lidera,

Pela vaidade ou orgulho de querer o poder custe o que custar

Eu sonho com uma Convenção

Onde os lideres se ocupem apenas com a Palavra,

Que visitem os membros cuidem do rebanho confiado por Deus,

Com o intuito apenas de conduzi-los ao céu

Onde o lucro de tudo seja de um saldo positivo,

De quantas almas ajudou a tirar das mãos do adversário.

Eu sonho com uma Convenção

Onde os líderes não usem o cargo para se beneficiar,

Candidatar ou levantar bandeira apoiando “A” ou “B”

Que deixem o povo livre, vez que são inteligentes,

Para fazerem suas escolhas e em quem votar,

Sem pressão, ameaças, ou promessas que não são de Deus.

Eu sonho com uma Convenção

Que Jesus possa voltar e encontrá-la inteira,

Sem que os homens esfacelem, dilacerem e esmaguem.

Com a idiotice de brigar pelo poder absoluto,

Que façam o bem, mas sem olhar a quem,

E entenda que o Mestre chamou e que a Missão não pode falhar.

Eu sonho com uma Convenção

Onde os políticos só tenham oportunidade de participar

Fazendo parte dela como membros ou adorando ao Senhor

E que os instrumentos sejam de fato consagrados,

Para aqueles que têm a sua vida no altar de Deus,

Afinal de contas, é isso que dizem quando estimulam o povo a cooperar.

Eu sonho com uma Convenção

Onde possa ser visto milhares de adoradores,

Que não se dobre diante de todas as aberrações,

Que levante sua voz como atalaias, e que sejam diferentes,

Que mude essa história, sem temer aos ditadores de plantão,

Mostrando que a sua força e o poder vem de Deus.

Eu sonho com uma Convenção

Que não se deixe ser levada por alguém,

Que há muito tempo já perdeu a visão,

Mas que ela saiba discernir entre o bem e o mal

Mesmo quando os que a lideram já perdeu esse discernimento.

Eu sonho com uma Convenção,

Corajosa, guerreira, que saiba lutar com as armas certas,

Onde sua força seja mostrada na oração de seus membros,

Que orem pelo país e pelos seus governantes,

Que saiba se impor sem precisar se misturar

E que acredite num Deus que é sobre todas as coisas.

Eu sonho com uma Convenção,

Seja o que o próprio nome diz: Convenção! 

Conforme o Dicionário Houaiss assim define a palavra CONVENÇÃO:

Acepções

substantivo feminino

1    Acordo sobre determinada atividade, assunto etc., que obedece a entendimentos prévios e normas baseadas na experiência recíproca

Ex.: c. de sinais

2    Prática, técnica ou recurso adotado ou estabelecido em determinadas atividades, esp. as artísticas

Ex.: as c. usadas na feitura de um soneto

3    Qualquer dos usos ou costumes sociais estabelecidos, ger. de tácita aceitação pelos indivíduos de uma comunidade, que incluem regras de boa educação, de boa conduta etc.

Ex.: as c. da etiqueta

4    Rubrica: termo jurídico.

Acordo entre duas ou mais pessoas, concernente a um fato preciso

4.1 Rubrica: termo jurídico.

Acordo previsto pelo direito internacional, referindo-se quase sempre à matéria técnica resultante de conferência entre as várias nações interessadas.

5    (1916)Rubrica: linguística.  Espécie de ajuste implícito, não formulado e até inconsciente, no qual se baseia a relação entre o significante (forma) e o significado (conteúdo) dos signos linguísticos [A noção, desenvolvida por Saussure, opõe-se à ideia da natureza motivada dessa relação.]

Obs.: cf. arbitrariedade

6    Assembleia ou encontro de pessoas reunidas para tratar de assunto de interesse comum; congresso, conferência

Ex.: c. de federações esportivas

7    Derivação: por metonímia.

Qualquer texto ou documento que expressa o que foi estabelecido em tal assembleia ou encontro

8    Rubrica: política.

Assembleia nacional que se destina a estabelecer ou alterar uma constituição

Obs.: inicial maiúsc.

9    Rubrica: política.

Assembléia de delegados de um partido político com o fim de formular uma plataforma, escolher candidatos etc.

Sejamos Unânimes!!!

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Antes que seja tarde demais!





O Pai e o Filho Ingrato

Talvez você seja como eu, que não gosta destas histórias que parecem nos querer dar lição de moral sobre como os filhos devem tratar os pais.

Mas devo admitir que, algumas histórias nos fazem pensar melhor, nos fazem ver a vida por outro ângulo. 

Esta que narro agora, é uma destas.

Era uma vez, em uma cidade distante, um senhor, que tinha um filho muito bonito.
Um rapaz forte, com muita saúde.

Este pai, vivia preocupado porque sua condição financeira era boa e ele tinha condições de dar tudo ao filho.

Bastava ele dar uma ordem e o filho teria os melhores colégios.

Bastava um pedido e o filho teria os melhores empregos.

Roupas caríssimas, relógios e sapatos de luxo, perfumes importados, nada era problema para este pai.

Tudo, tudo mesmo, que ele quisesse dar ao filho, ele tinha todas as condições.
Nas férias, ele podia escolher para onde enviaria o filho, para passear, se para os Estados Unidos, para a Europa, ou conhecer as pirâmides do Egito, ele podia deixar o filho conhecer o mundo inteiro, tinha ótimas condições financeiras para isto.

Mas este pai tinha uma preocupação.

Ele já estava com a idade bastante avançada, saúde bem debilitada e queria dar ao filho não só bens materiais, mas principalmente, formar o filho como um homem de caráter, respeito, lealdade, bondade e humildade.

Queria que o filho tivesse todo o conforto que  sua condição financeira podia oferecer, mas não queria que o filho fosse como muitos rapazes ricos, que só valorizavam o material e maltratavam e humilhavam as outras pessoas, principalmente as mais humildes.

Então, desde cedo este pai deixou que o filho tivesse a vida um pouco mais difícil.

O filho precisava correr atrás de seus empregos, precisava se esforçar em escolas públicas, tinha que pegar mais de 4 ônibus por dia.

E este filho cresceu, ao contrário do que o pai queria, bastante revoltado.

Sempre brigando porque o pai não o amava, o pai não dava a ele o que pedia, que seu pai era isto, seu pai era aquilo.

Este filho tinha vergonha até da roupa que vestia, mas seu pai lhe dizia: “Por que vergonha?

Foi você mesmo quem comprou esta roupa, com o dinheiro que ganhou com seu trabalho!

Então, orgulhe-se!” 

Mas o filho respondia: “Essa porcaria de roupa, eu comprei com a miséria do dinheiro que ganho naquele maldito trabalho, pois nem um emprego em uma grande indústria o senhor conseguiu para mim, mas tendo condições, o senhor não faz nada por mim!”

O pai chorava e sofria muito, ao ver que o filho não entendia as verdadeiras razões que o levavam a agir desta forma.

E ele queria ver o filho crescendo com caráter para aí sim, lhe passar tudo que tinha, suas casas, sítios, fazendas, carros, empresas, tudo enfim.

Um dia, este pai, bastante doente, acamado, estava para morrer.

Mandou chamar o filho que logo entrou pelo quarto gritando: “O que você quer, velho egoísta, nunca me deu nada e agora que vai morrer, manda me chamar?”

O pai então lhe estende a mão e lhe entrega uma Bíblia. 

O filho pega esta Bíblia e a arremessa contra a parede dizendo: “Maldito, nem na hora de sua morte pode me dar um presente decente?”

A Bíblia cai no chão e de dentro dela sai um envelope.

O filho apanha o envelope e vê que ali está uma carta lhe informando que, tudo que é de seu pai, a partir daquele momento, pertencia a ele.

O pai então, antes de morrer lhe diz a última frase: “Nesta vida, tentei lhe dar o que um homem pode ter de melhor!

Mas sem estas palavras escritas na Bíblia, ninguém nunca será bom o suficiente!
Espero que um dia me compreendas!”

Neste instante o filho abraçou o pai em prantos, dizendo: “Pai, me perdoa, porque só agora, eu consegui ver todo o bem que o senhor me fez nesta vida.

Não quero nada de material que é seu.

Só quero que fique comigo, não morra!

O pai morreu feliz, ao ver que todo o seu esforço não foi em vão.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

IDOLATRIA! - A Que ponto chegamos, hein?


Idolatria gospel: um show de horrores!



 Qualquer cristão que tem o mínimo de conhecimento bíblico entende que Deus odeia a idolatria.

Em 1 Coríntios 6.9, Deus alerta que os idólatras não herdarão o Reino dos céus.

Em outra parte das escrituras lemos: “Não terás outros deuses diante de mim”. (Êxodo 20.3).

Podemos ficar horas e horas citando trechos bíblicos acerca da mesma verdade: Deus quer estar em primeiro lugar de nossas vidas.

Aqueles que querem ser verdadeiros adoradores deverão ter olhos para um só Deus.

Isso é uma verdade inquestionável.

Também é verdade que a Igreja precisa ter modelos, precisa ter exemplos de vida com Deus, exemplos em todas as áreas de liderança, pastoral, nas artes, missões etc.

A estas pessoas, chamamos de referenciais.

Paulo era um referencial de sua época: “Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam”. (Filipenses 3.17).

Precisamos ter líderes que nos dirijam, que nos abençoem, que nos ajudem a chegar aos níveis já alcançados por eles, que nos deem um norte em Deus.

Referenciais têm um enorme poder de influência sobre as pessoas como um todo.

É por isso que quando algum destes referenciais cai em pecado, muitas pessoas caem em desilusão e os mais fracos tendem a abandonar a fé.

Em geral, o povo é abalado quando um líder ou um referencial de grande influência comete falhas em público.

E quanto maior a “bomba”, maior é o estrago.

A Bíblia alerta: “Não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado...” (2 Coríntios 6.3).

Um erro grandioso que a Igreja de hoje tem cometido e sofrido sérias consequências é o pecado da idolatria.

E fazemos isso dando uma série de boas desculpas esfarrapadas.

Por exemplo, quando quero idolatrar meu cantor gospel preferido, exaltando-o sobre as alturas, falo às pessoas que ele é um grande homem de Deus, um referencial para mim.

Aí faço dessa pessoa meu ídolo, tendo em casa um altar para ele, com todos os seus CDS e livros, com todos os seus artigos escritos, com uma foto autografada, uma camisa do fã-clube e outros apetrechos que farão parte do meu devocional a este ídolo.

Assim, a pessoa acaba se tornando um idólatra, tornado seu próprio irmão na fé num deus.

Atenção: Adorar também significa “devotar a vida”.

Não há outras palavras para se dizer uma verdade dura que já está sendo ecoada no Brasil: a Igreja brasileira fez de seus referenciais grandes ídolos como o bezerro de ouro erguido pelo povo de Israel no deserto (Êxodo 32,4).

Isso nós fizemos e por isso estamos pagando um preço tão caro.

A Lei da Semeadura está valendo ainda hoje. 

A Igreja plantou idolatria, vai colher coisa ruim, maldição, destruição.

Disto não duvidamos.

A Idolatria Evangélica Gospel Brasileira permitiu este show de horrores:
- Ídolos gospel que não “ministram” por menos de 15, 20, 30 mil reais.

- Ídolos gospel que decidiram, por loucura própria, fazer uma lista de exigências que nem Jesus, Paulo ou João fizeram quando exerciam seu ministério: Hotéis 5 estrelas, frutas tropicais, água mineral de marcas específicas, dezenas de seguranças, carro blindado...

E outras coisas que não vou pôr aqui, pois alguns não vão acreditar em mim.

- Ídolos gospel que são indiferentes e preconceituosos com certas cidades, regiões, raças, e condição espiritual.

Por exemplo: tem gente que não “ministra” em certos lugares porque há muita frieza espiritual, eles só querem “ministrar” em lugares que já estão “avivados”.

- Ídolos gospel que se isolam da liderança espiritual de sua igreja para não precisar responder a ninguém sobre seus trambiques e pecados.

Aparentemente chegaram num nível tão alto que não precisam mais de pastor e de igreja para acompanhá-los, agora podem caminhar sozinhos.

Por isso temos visto tanto insubmissão e rebeldia em “ministério grande”.

Quem é o responsável por este show de horrores?

Quem é o culpado?

Penso que o culpado somos todos nós que fazemos parte da igreja, pois temos alimentado nossos ídolos.

Damos a eles o que eles pedem, e é por isso que as exigências aumentam a cada dia.

Enquanto pagamos 25 mil reais pra um irmão cantar num evento, deixamos missionários morrerem de fome aqui no Brasil e lá fora.

E ainda dizemos: se o missionário passa fome, é porque está em desobediência.

Quanta hipocrisia!

A coisa está tão feia que ninguém pode denunciar os pecados da igreja.

Se alguém se levanta contra essa pouca vergonha dos absurdos cachês e exigências, dos pecados escondidos, da rebeldia contra os pastores, da idolatria descarada, da tietagem é rapidamente apedrejado pelos idólatras daquele determinado “deus gospel”.

É igualzinho no Velho Testamento: “não desrespeite o meu deus que eu não desrespeito o seu”.

Meus irmãos, não me entendam mal.

Não me interpretem mal.

Estou aqui tecendo pesadas críticas contra a idolatria.

Estou denunciando o pecado, não o pecador!

É disso que tenho nojo, e é contra este terrível pecado que temos que lutar.
Se a Igreja não acordar, colherá frutos tenebrosos.

Se nós sabemos da existência de um Deus verdadeiro, se conhecemos o seu amor, e o trocamos deliberadamente por outros deuses, vamos pagar caro por isso.

Aliás, já estamos pagando caro por isso!

Precisamos urgentemente de referenciais que apontem para Deus.

Precisamos de mártires.

Precisamos de humildade, simplicidade e pureza de espírito.

Precisamos nos arrepender.

Precisamos saber que “... o viver é Cristo, e o morrer é lucro”. (Filipenses 1.21)
"Então disse Jacó à sua família, e a todos os que com ele estavam: Tirai os deuses estranhos, que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes." (Gênesis 35.2)

Ramon Tessmann

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Belial está solto!


Belial está solto!




 “Não tenhas, pois, a tua serva por filha de Belial…” (1 Sm 1.16)

“Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial e não se importavam com o Senhor” (1 Sm 2.12).

“Porém os filhos de Belial serão todos lançados fora..” (2 Sm 23.6).

Belial não é um demônio comum: ele é um dos príncipes das trevas, e chega a ser confundido com o próprio Satanás.

Alguns comentaristas falam de Belial como sendo apenas uma expressão hebraica usada a respeito daqueles que incitam à idolatria ou à insurreição; referindo-se a pessoas sexualmente imorais ou mentirosas, é o que diz a nota de rodapé da Bíblia de Genebra.

É também o termo hebraico para “indignidade ou iniquidade”, diz Russel Champlin.

Mas quem é esse Belial que anda fazendo estragos na igreja do Senhor Jesus?

Que espírito é esse que ocupa os púlpitos, que mente, persegue, adultera, que faz o mal em nome de Deus, e que não é notado nem exaltado como os demais príncipes de Satanás?

Creio que João Milton, o cego, autor de O Paraíso Perdido (célebre cristão e autor, contemporâneo de Shakespeare, e que escreveu o que é considerado um dos cinco poemas épicos do mundo), teve muita percepção espiritual quando descreveu a forma de atuação desse príncipe satânico.

Milton abre a cena épica com Satanás recobrando-se da queda que o Messias lhe impôs no profundo abismo.

O primeiro a despertar no abismo ao lado de Satanás foi Belzebu, seguido por Moloque, Camos, Baalim, Astarote, Tamuz, Dagom, Rimom, Osíris, Isis, Hórus, o derradeiro deles, Belial.

Todos se colocam à disposição de seu líder e com ele traçam planos de continuar a luta contra o Altíssimo.

Falando sobre Belial, diz Milton:

“Espírito nenhum mais torpe que ele
Dos altos Céus caiu no fundo do Orco,
Nem mais grosseiro para amar o vício
Só por ser vício. Em honra desse monstro
Não se erguem templos, nem altares fumam;
Porém, com refinada hipocrisia,
É quem templos e altares mais freqüenta
Chegando a ser ateus os sacerdotes
Bem como de Eli sucedeu os filhos
Que de Deus os alcáceres encheram
De atroz fereza, de brutal lascívia!
Reina ele pelas cortes, nos palácios
E nas cidades onde os vícios moram,
Onde a devassidão, a infâmia, o ultraje,
Sobem por cima das mais altas torres.
Ali, assim que tolda a noite nas ruas,
Os filhos de Belial nela divagam…”

Penso que Milton definiu com propriedade a atividade desse iníquo e perverso príncipe do mal.

Foi ele que inspirou os filhos de Eli a fazerem do tabernáculo do Senhor um antro de orgia, perversão e maldade, resguardados sob o manto da religião.

Operando nos bastidores da religião e da fé, Belial consegue vituperar o bom nome de Deus nos dias de hoje.

Em alguns lugares ele ocupa solenemente púlpitos de igrejas e campanários de catedrais inspirando com sua presença atividades que se mostram cheias de piedade, mas que são danosas e prejudiciais à igreja.

Belial está conseguindo com a igreja o que Moloque não pôde e não pode. 

Afinal, Moloque teve que mudar de tática para voltar a sacrificar crianças, destruir casamentos e aniquilar a família e, nesse sentido, Belial serve-lhe de grande ajuda.

Aquele que agia pelas ruas de Sodoma e fincou residência na pequena Gibeá onde uma mulher foi violentada e morta pelos homens da cidade, age sem ser notado entre o rebanho de Deus.

Quando Milton diz que ele ama o vício só por amar, vêem-me à mente os jovens que abandonando a fé, seqüestraram a filha de um empresário, roubaram-lhe, fizeram-lhe refém alguns dias depois, e a imprensa com certo orgulho permitia-se divulgar que os jovens eram membros de certa denominação evangélica.

Belial sabe como conquistar discípulos e menosprezar a Fé!

Silenciosamente age nos antros com vícios; nas portas das escolas conquista adeptos para o mal, e age tranqüilo na catequese ideológica de alguns governos.

Belial está por trás de romances, histórias, filmes, documentários, inspirando seus autores a escreverem os mais lindos contos, as estórias mais apreciadas e freqüenta com certa pompa o mundo das letras, do teatro, da música, falando de amor, paz, ao mesmo tempo que opera com malícia, indignidade e desprezo.

Historicamente não se sabe de nenhum templo construído a Belial como se construiu para todos os demais, mas, no dizer de Milton, ele habita os templos.

Perverso como é, consegue avocar para si mesmo as orações feitas aos demais príncipes; sabe que pode encontrar nos adoradores a honra que lhe é devida, pois toda oração, adoração e sacrifícios cujo fim é a pessoa, a sustentação do ego, o orgulho, a defesa própria, o bem-estar pessoal, são incenso que lhe sobem as narinas e que sustenta sua iniquidade.

A oração do fariseu em Lucas 18 sobe-lhe às narinas como agradável cheiro.

A do publicano não lhe serve, pois ela não está perfumada pelo espírito de Belial.

Na igreja percebe-se sua presença vil acobertado sob o manto do amor e do cuidado ao próximo.

Belial com sua iniquidade divide a igreja, permeia a liderança, assenta-se nas tribunas dos concílios e convenções, em reuniões de ministérios, nas pregações tidas como as mais espirituais.

Belial é adorado sempre que a iniquidade e a perversidade ocupam espaço em nossos corações e sempre que nossas motivações deixam de ser Deus, e são centralizadas em projetos humanos.

Até mesmo em ritos e leis como o faziam os filhos de Eli.
Tudo o que faziam era num ambiente sagrado.

A pompa da religiosidade dos filhos de Eli era como sacrifício agradável a Belial, a ponto de Ana ser confundida com um de seus filhos, como se estivesse bêbada, fora de si e, no entanto, estava cheia da presença de Deus!

Belial é um mistério que precisa ser melhor desvendado!

quarta-feira, 3 de outubro de 2012


CGADB - Justiça revoga liminar que suspendia AGE de Maceió - AL

Martelo da Justiça

CGADB - Justiça revoga liminar que suspendia AGE de Maceió - AL

REPRODUZO A DECISÃO JUDICIAL


Juízo de Direito - 9ª Vara Cível da Capital
Gabinete do Juiz
Autos nº: 0005411-73.2012.8.02.0001
Ação: Cautelar Inominada
Autor: CONVENÇÃO FRATERNAL DOS MINISTROS DAS ASSEMBLÉIAS DE
DEUS DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO - CONFRATERES
Réu: CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL - CGADB

DECISÃO
CONVENÇÃO FRATERNAL DOS MINISTROS DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO, devidamente qualificada e representada nos autos em epígrafe, interpôs a presente ação cautelar inominada em face de CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL, também devidamente qualificada.

A parte autora requereu em sede de liminar que a ré se abstenha de registrar a ata assemblear da 5ª Assembléia Geral Ordinária da CGADB, ocorrida no Estado de Alagoas, sob pena de multa única no valor único de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), bem como seja determinado que a ré se abstenha de alterar o seu estatuto social e regimento interno nos pontos elencados no edital de convocação para a 5ª AGE.

Fundamenta o referido pedido no fato de que as decisões tomadas na 5ª AGE não respeitaram o quórum mínimo necessário previsto no estatuto,ou seja, quórum qualificado de dois terços dos membros presentes. Além disso, a apuração dos votos se deu por aclamação, ou seja, a olho nú, o que gerou uma lista com voto contrário às decisões de reforma do Estatuto, com 796 assinaturas, o que desqualifica o quórum necessário.

Em sede de Plantão Judiciário, a liminar requerida foi concedida, com fundamento nas argumentações alegadas pela parte autora, ou seja, o não atendimento do quórum de 2/3 dos presentes 5ª AGE, para a aprovação do estatuto da entidade.

Após, devidamente intimada para o cumprimento da referida liminar, a parte ré interpôs um pedido de revogação da mesma, alegando o caráter de irreversibilidade da referida decisão e os prejuízos que a mesma poderá ocasionar.

Alega que as pretendidas modificações no estatuto da entidade se referem apenas à criação de um novo cargo de Tesoureiro e à alteração do Credo. Informa que as inscrições para os candidatos a cargos junto à Convenção Nacional vai até o dia 31 de outubro deste ano, para eleições que ocorrerão em abril de 2013. 

A impossibilidade de registro da 5ª AGE, em decorrência da concessão da liminar, ocasionará um grave prejuízo aos pretendentes a concorrer ao referido cargo, em decorrência da iminência do fim do prazo de inscrições.

Assim, requer a revogação da decisão que determinou o impedimento do registro da 5ª Assembleia Geral Extraordinária, bem como que a ré se abstivesse de alterar o estatuto social e regimento interno nos pontos elencados no edital de convocação para a 5ª AGE, até ulterior decisão meritória.

É em resumo o relatório. Passo a decidir.

Considerando que a parte ré desistiu do incidente de exceção de incompetência, passo a análise de seu pedido de reconsideração da decisão liminar, haja vista tratar-se de incompetência relativa, a qual somente pode ser declarada através de requerimento da parte.

Compulsando com vagar os presentes autos observa-se que a decisão concessiva do pedido de liminar está impedido a realização de pleito eletivo no bojo da Convenção ré, tendo em vista que impossibilitou o registro da 5º Assembleia Geral Extraordinária, a qual alterou o estatuto interno da demandada, prevendo, entre outros pleitos, a criação de um novo cargo para Tesoureiro.

Os candidatos ao referido cargo estão impossibilitados de registrar sua candidatura ao novo cargo previsto, em decorrência do impedimento do registro da 5ª AGE, o que poderá gerar uma situação irreversível, gerando prejuízos, tendo em vista que o prazo para as inscrições da candidatura se finda no dia 31 de outubro.

Entendo que embora seja relevante a questão do quórum de 2/3 dos presentes para aprovar modificações no estatuto e regimento interno da demandada, estando o seu não atendimento demonstrado nos autos, não vislumbrei o requisito do perigo da demora, já que as eleições apenas irão ocorrer em abril de 2013.
Por outro lado, verifiquei que a concessão do pedido liminar acarreta prejuízos aos pretendentes do cargo ser criado, pois estão impedidos para se inscrever no mesmo, considerando ainda que o prazo de inscrição se esgota no dia 31 de outubro do corrente ano.

Assim, concluo que a concessão do pedido liminar reveste-se do caráter de irreversibilidade, pois caso a decisão seja modificada em sede de sentença não haverá como viabilizar as eleições para o referido cargo, portanto, necessário se faz a revogação da referida decisão liminar.

Isto posto, com base nas argumentações perfilhadas, revogo a decisão liminar concedida em sede de plantão judicial.

Intimem-se as partes para que manifestem interesse na produção de provas em futura audiência de instrução, a fim de dar cumprimento ao art. 803, parágrafo único, do Código de Processo Civil, em 10 (dez) dias.
Publique-se.
Maceió , 28 de setembro de 2012.
Domingos de Araújo Lima Neto
Juiz de Direito
Este documento foi assinado digitalmente por DOMINGOS DE ARAUJO LIMA NETO.

Para conferência acesse o site:
Informe o processo: 0005411-73.2012.8.02.0001
Código: 8B722
Juízo de Direito - 9ª Vara Cível da Capital
Gabinete do Juiz


MEU COMENTÁRIO


A decisão acima, que revoga a tão famosa medida liminar, faz com que seja registrada por parte da CGADB - Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, no cartório competente, a ata da AGE - Assembleia Geral Extraordinária realizada em Maceió-AL, validando todos os atos aprovados, inclusive a criação do cargo de Terceiro Tesoureiro da instituição , contrariando o desejo daqueles que desejavam uma balbúrdia jurídica.

A decisão judicial deixa claro que, faz-se necessário uma reavaliação no formato de verificação de quórum nas assembleias,  bem como na apuração de votos, principalmente no quesito votação de matérias, e isso serve de exemplo também  para as igrejas.

Agora, há de se ressaltar que o "modus operandis" atual, não se trata de dolo por parte dos dirigentes, pois todos sabemos que esse formato é uma tradição cultural em nossas Igrejas e convenções, até mesmo nas regionais (sejam dos "réus, autores ou seus mentores"), porém, com o crescimento de membros e ou filiados, bem como dos interesses políticos, fica clara a necessidade de mudanças que evitem tais ações com intenções obstrutivas. - (O texto é de minha lavra, mas grifo propositalmente com a intenção de ressaltar a necessidade).

Por outro lado, a Justiça entendeu também que, as medidas aprovadas na AGE de Maceió, não trouxeram qualquer dano para a instituição CGADB, nem mesmo para qualquer dos envolvidos, ao contrário, a questão da criação do cargo de Terceiro Tesoureiro, resolve uma situação que teria mesmo que ser resolvida em qualquer tempo. A questão do CREDO, ou seja, a inclusão da proibição para que Ministros das Assembleias de Deus celebrem cerimônias de casamento de união homoafetivas,  não muda absolutamente nada, a não ser trazer maior segurança jurídica ao que já bíblico, tradicional e cultural entre nós.

Ora, assim sendo, finalmente, entendeu o MM. Juiz de direito, que os autores, acrescento eu,  e seus mentores, pretendiam apenas causar danos, prejuízos à instituição, obstruir o trabalho dos dirigente e causar dificuldades jurídicas para a realização da Eleição 2013 a ser realizada em Brasília o que todos já sabíamos, mas agora, fato reconhecido pela própria Justiça.

Enfim, aqui vale o adágio popular "antes tarde do que nunca"

Restaurada a ordem na balbúrdia jurídica criada, está validada a AGE da CGADB realizada em Maceió-AL e todos os atos por ela aprovados.

FONTE: POINT RHEMA

terça-feira, 2 de outubro de 2012

O Exemplo!


O PODER DO EXEMPLO

Em certa oportunidade, quando eu estava no Egito dirigindo alguns cultos de reavivamento para militares ingleses ali lotados, perguntei a um cabo jovem que tomava parte com assiduidade nos serviços religiosos, como se tornara cristão.

Respondeu-me com espontaneidade: "Havia um soldado raso em minha companhia, que já fora punido várias vezes pelo uso imoderado de álcool e por envolver-se em distúrbios nos bairros suspeitos. 

Todavia, pacientemente aconselhado pelo capelão que dava assistência espiritual à tropa, converteu-se ao Senhor Jesus algumas semanas antes do embarque do nosso regimento para o Egito.

A transformação de sua vida, conduta e costumes, foi na verdade impressionante e radical. 

Mas, em consequência de decisão tão suprema e corajosa, passou a ser molestado pelos antigos e ímpios companheiros, que o tornaram alvo de constantes zombarias. 

Numa noite chuvosa, ao voltar de seu posto de sentinela, exausto e com a farda encharcada, mudou o uniforme e, antes de deitar ajoelhou-se ao lado da tarimba para orar. 

Enquanto orava, fiquei irritado com aquela atitude serena e reverente e, então, para provocá-lo, joguei minhas botinas enlameadas em sua cabeça; porém ele prosseguiu em sua oração. 

Pela manhã, ao acordar, deparei-me surpreso com as botas, junto à cabeceira de minha cama, impecavelmente polidas. 

Essa foi a sua generosa resposta ao meu torpe gesto.

Desse procedimento tão inusitado e comovente teve reflexos intensos e imediatos sobre o meu comportamento pecaminoso, e, nesse mesmo dia, entreguei sem reservas a minha vida a Cristo.

S. Holden 

segunda-feira, 1 de outubro de 2012


Nota de Falecimento: Partiu para o Senhor o pastor Anselmo Silvestre


Pioneiro da AD estava há mais de 60 anos à frente da AD MG

 


Foi recolhido pelo Senhor, na noite deste domingo, 30 de setembro, o patriarca e pioneiro das Assembleias de Deus no Brasil, pastor Anselmo Silvestre. Aos 96 anos, pastor Anselmo estava como presidente de Honra da AD em Belo Horizonte (MG) e presidente da COMADEMG - Convenção dos Ministros das ADs em Minas Gerais.

Quem foi Pastor Anselmo Silvestre
Pastor Anselmo Silvestre tem sua história de vida e ministério entrelaçada com a história da Assembleia de Deus mineira. Em seus primeiros 30 anos de existência, a igreja mineira foi presidida pelos pastores Clímaco Bueno Asa, colombiano; Nils Kastberg, sueco, e pelo pastor Algot Svenson, também sueco.

Com a morte do Missionário Algot Svenson na Suécia em 1958, os obreiros nacionais já existentes na Igreja indicaram para sucedê-lo o seu auxiliar, Anselmo Silvestre, que com a aprovação da Igreja, assumiu a direção do Ministério. Desde então, o Pastor Anselmo Silvestre tem presidido a Igreja que, em 1979, sofreu nova mudança de denominação, passando a ser chamada Assembleia de Deus.

Nesses mais de 50 anos à frente da Assembleia de Deus, o Pr. Anselmo Silvestre empreendeu estratégias de crescimento da igreja,  descentralizando o trabalho, com a aquisição de imóveis tanto na capital como no interior do estado, e a construção de templos para a realização de cultos. Muitas frentes de evangelização foram realizadas, com cruzadas evangelísticas, concentrações e outros eventos que difundiram o Evangelho, fazendo da Assembléia de Deus uma das maiores Igrejas no Estado.

Na área administrativa, o Pastor Anselmo Silvestre remodelou a Igreja, criando departamentos e comissões, a fim de dar suporte ao desenvolvimento das atribuições eclesiásticas. Sob a direção de Deus e com a graça do Espírito Santo, a igreja experimentou vertiginoso crescimento em todas as suas frentes de atuação, tornando-se numa das maiores de todo o país.

Em dezembro de 2009, passou a presidência da igreja ao seu neto, Pastor Moisés Silvestre Leal, permanecendo como Presidente de Honra do Ministério e Presidente da Convenção Mineira, a COMADEMG.

Em breve postaremos aqui informações sobre velório e sepultamento do grande líder Assembleiano.

REI DAVI....... Do Pastoreio ao Trono de Israel.... Davi, o filho mais novo de Jessé                                            - I...