quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Crentes - A Luz do Mundo V

“Vós Sois A Luz do Mundo”.

Fazendo uso de metáforas[1], Jesus afirmou que os seus discípulos são “a luz do mundo”.

Figura extraordinária essa!

Diferentemente do sal, que não é visto em ação, a luz só tem valor quando é percebida, quando aparece.

1. O testemunho elevado.

Comparando seus seguidores como luz do mundo, Jesus disse que “não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte”.

De fato, as cidades sobre os montes, quando chega a noite, refletem as luzes de suas casas e ruas.

Como luz, o crente está edificado sobre Cristo, em posição muita elevada. Ele “nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus” (Ef 2.6).

O salmista reconhecia essa posição elevada, quando disse: “Leva-me para a rocha que é mais alta do que eu” (Sl 61.2).

2. Crentes no velador.


Jesus disse que não se “acende uma candeia[2] e se coloca debaixo do alqueire[3], mas no velador, e dá luz a todos os que estão na casa” (Mt 5.15).

Velador é um suporte de madeira, onde se coloca um candeeiro ou uma vela, em lugar elevado, na casa, de forma que a luz que ali estiver, ilumine a todos que estiverem a seu redor.

“Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus” (Jo 3.21).

Infelizmente, há pessoas nas igrejas, que se colocam debaixo do alqueire do comodismo, da indiferença, da falta de fé e de ação, e apagam-se, por faltar o oxigênio da presença de Deus.

3. O testemunho que resplandece (Mt 5.16).


“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens...”

O crente em Jesus não tem luz própria.

Ele não é estrela, com luz própria.

Ele pode ser comparado a um planeta, que é um astro iluminado por uma estrela, em torno do qual ele gravita.

Na verdade, nós somos iluminados por Jesus.

Ele, sim, é a “estrela da alva” (2Pe 1.19), a “resplandecente Estrela da manhã” (Ap 22.16).


NEle, e em torno dEle, nós vivemos, e recebemos a sua luz.

Com nosso testemunho, precisamos esparzir[4] a “luz do evangelho da glória de Cristo” (2Co 4.4).

4. Para que vejam as vossas boas obras.


O crente, como luz, dá seu testemunho, através das boas obras de salvo, “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Ef 2.10).

Muitos têm ganhado almas para Jesus, na evangelização, porque praticam um testemunho eloqüente, em todos os lugares.

Sabemos de servos e servos de Deus, que, no seu lar, ganharam toda a família, por causa de suas atitudes cristãs; outros que no trabalho ganharam seus colegas, por causa do comportamento cristão.

Com isso, eles glorificam a Deus, que está nos céus.

Paulo, exortando os crentes acerca do testemunho, disse que fizessem tudo “para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo” (Fp 2.15).

Em Provérbios, lemos: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” (Pv 4.18).

“No mundo, os crentes são forasteiros e peregrinos” (Hb 11.13; 1Pe 2.11).


Não devem pertencer ao mundo (Jo 15.19),

Não se conformar com o mundo, não amar o mundo (2.15),

Vencer o mundo (5.4),

Odiar a iniqüidade do mundo, morrer para o mundo (Gl 6.14)

E ser libertos do mundo (Cl 1.13; Gl 1.4).

Amar o mundo corrompe nossa comunhão com Deus e leva à destruição espiritual.


É impossível amar o mundo e ao Pai ao mesmo tempo (Mt 6.24; Lc 16.13; Tg 4.4).

Amar o mundo significa estar em estreita comunhão com ele e dedicar-se aos seus valores, interesses, caminhos e prazeres.


Significa ter prazer e satisfação naquilo que ofende a Deus e que se opõe a Ele.

Note, é claro, que os termos ‘mundo’ e ‘terra’ não são sinônimos; Deus não proíbe o amor à terra criada, isto é, à natureza, às montanhas, às florestas, etc. (...).

· O crente não deve ter comunhão espiritual com aqueles que vivem o sistema iníquo do mundo (Mt 9.11; 2Co 6.14);

· Deve reprovar abertamente o pecado deles (Jo 7.7; Ef 5.11);

· Deve ser sal e luz do mundo para eles (Mt 5.13,14);

· Deve amá-los (Jo 3.16);

· Deve procurar ganhá-los para Cristo (Mc 16.15; Jd 1.22,23).

[1] Tipo que consiste na transferência de uma palavra para um âmbito semântico que não é o do objeto que ela designa, e que se fundamenta numa relação de semelhança subentendida entre o sentido próprio e o figurado.

Exemplo: por metáfora, chama-se raposa a uma pessoa astuta, ou se designa a juventude primavera da vida.

[2] Pequeno aparelho de iluminação, que se suspende por um prego, com recipiente de folha-de-flandres, barro ou outro material, abastecido com óleo, no qual se embebe uma torcida, e de uso em casas pobres.

[3] Uma vasilha de medida de alqueire, que servia para medir cereais, feita de barro, com a capacidade de 8 litros e meio.

[4] Espalhar ou derramar (um líquido); irradiar, difundir.

Um comentário:

  1. Parabéns pelo belo trabalho no blog.

    Já estou seguindo.

    Aproveito para lhe convidar a conhecer o meu blog, e se desejar segui-lo, será uma honra.

    Seus comentários também serão muito bem-vindos.

    www.hermesfernandes.blogspot.com

    Abraço fraterno!

    ResponderExcluir

AS MARCAS DO DISCIPULADO

AS MARCAS DO DISCIPULADO        Textos: Mateus 16.24 INTRODUÇÃO:  Paulo trazia no corpo as marcas de Cristo Jesus (Gl. 6.17).    ...