terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Até quando Senhor!!!

OS "TRÊS POLÍTICOS" À LUZ DE ROMANOS



Não é preciso dizer muito a respeito dos três políticos (evangélicos?) que ao receberem propina no Distrito Federal, unem-se em oração, pedindo perdão por suas falhas e agradecendo as bênçãos celestiais.


Ao olhar nos noticiários e ver os deputados Leonardo Prudente (Igreja Sara Nossa Terra), Rubens César Brunelli (PSC e da Igreja Casa da Bênção) e Rogério Ulysses - representantes do povo na câmara distrital de Brasília, senti vergonha de ser evangélico.


Esses políticos não estão só no que fazem; apenas unem-se a tantos outros que ocupam cadeiras nas câmaras de vereadores, assembléias legislativas, câmara federal e senado que hoje estão sendo expostos a público e julgados por Deus.


Porque o que eles fazem em oculto está vindo à luz, e toda a população brasileira que vê os vídeos, repudia a atitude deles, inda mais quando se dizem evangélicos!


Sentado no sofá corei de vergonha ao ouvir os comentaristas da Globo e da Band, especialmente o Datena imitando a oração que os três fizeram!


Eles fizeram a oração do mensalão:


“Sabemos que somos falhos, somos imperfeitos”, diz o deputado, para em seguida pedir proteção à vida de Barbosa.


“Somos gratos pela vida do Durval ter sido instrumento de bênção para nossas vidas, para nossa cidade”, diz Brunelli.


“Somos gratos pela vida do Durval ter sido instrumento de bênção para nossas vidas, para essa cidade, porque o Senhor contempla a questão no seu coração.


Tantas são as investidas, Senhor, de homens malignos contra a vida dele.


Nós precisamos da Tua cobertura e dessa Tua graça, da Tua sabedoria, de pessoas que tenham armas para nos ajudar nesta guerra.


Todas as armas podem ser falhas, todos os planejamentos podem falhar, todas nossas atividades, mas o Senhor nunca falha.


O Senhor tem pessoas para condicionar e levar o coração para onde o Senhor quer.


A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer.


Nós precisamos de livramento na vida do Durval, dos seus filhos, familiares.”


Tais homens mancham a reputação dos cristãos; mancham a imagem da igreja de Cristo.


Mancham o nome de Jesus Cristo.


Esses políticos e pregadores representam a nova safra de cristãos, que, influenciados pelo espírito de Satã pregam a prosperidade e o enriquecimento, sem se importar os meios que usam para ficarem ricos.


E quantos de nós, pastores, que ao longo dos anos buscamos servir a Deus com fidelidade somos enganados por tais pessoas – e incluo entre essas pessoas cantores e pregadores que não estão “nem aí” pro Evangelho de Cristo, porque estão em busca de seus próprios interesses.


Eu, particularmente, estou corado de vergonha!


Porque a mensagem pura e simples do evangelho não será facilmente aceita.


O Evangelho continua puro, mas alguns pregadores, políticos e cantores estão contaminados e sujos.


Tais pessoas mais parecem valas sujas e fedorentas de alguns subúrbios.


- Deus!


Em quarenta e cinco anos de ministério paguei os impostos da receita federal em dia, não amealhei riqueza e ainda pago aluguel para morar!


Quem está certo, Senhor?


Eles ou eu?


- Ouço uma voz – que não é a de Deus – soprando em meus ouvidos: “Trouxa! Você continua pobre porque quis”.


Daniel orou: “A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o corar de vergonha, como hoje se vê. Ó Senhor, a nós pertence o corar de vergonha, aos nossos reis, aos nossos príncipes e aos nossos pais, porque temos pecado contra ti” (Dn 9.7-8).



Políticos enriquecem fraudulentamente.


Cantores amealham riqueza em poucos anos, e tenho provas cabais sobre o que um deles conseguiu em dois anos!


Pregadores ostentam fartura e riquezas.


Enquanto isso, os pobres e os aposentados desta nação sofrem com as migalhas mensais dos governos que se sucedem no poder, e com o desprezo dessa gente que se diz evangélica!


Sabem onde encaixo tais pessoas que voluntariamente pecam e ainda oram a Deus, confessando seus pecados e agradecendo o suborno?


Elas se encaixam perfeitamente no texto acusatório de Romanos 1:


“E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia.


Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem” (Rm 1.28-32).


Resumindo: Quando uma pessoa sabe o que Deus quer e despreza o conhecimento de Deus, o próprio Deus a deixa à solta e a entrega para uma disposição mental reprovável, “para praticarem coisas inconvenientes”.


Isso mesmo!


Deus induz essas pessoas ao erro, porque desprezaram o conhecimento divino.


Assim, todos os que pregam prosperidade, ensinando que quem não é próspero não é abençoado por Deus estará sujeito a cair nessa condenação divina!


Deus está começando o juízo pela sua casa!


A casa de Deus tem de ser purificada! Inda que permaneçam pessoas dizendo-se evangélicas, mas roubando, certamente Deus tem, como nos dias de Elias aqueles que não se dobraram a Mamom!


Aleluia!


Pr. João de Souza





sábado, 19 de dezembro de 2009

Quando se quer a transparência......Seguimos os:

Principios básicos e transparentes.

Na multidão de conselheiros há segurança!

Temos um código que jamais deverá ser esquecido por nenhum lider ou pastor.

Se isto ocorrer, pode por a barba de molho, a lei da sementeira não falha, este mesmo código diz: Olhai, Orai e Vigiai!

Hum!

Isso tá dificil de ver por aí.

Siga estes passos......


PRIMEIRO PASSO: CONVOCAÇÃO


As pessoas de uma determinada região; sejam elas de uma comunidade, de um sindicato, de um bairro, de uma escola, ou clube, que tenham como objetivo um trabalho de interesse público, estarão aptas a criar uma entidade.

Podem estar preocupadas com a defesa de um rio, de uma cidade, de uma praça, de uma praia ou outra riqueza natural ou cultural, ou com os direitos de comunidades (índios, caiçaras, pescadores, quilombolas, etc.).

 
Ou a fim de investir no desenvolvimento humano, como criar, por exemplo, centros educacionais e esportivos, creches, e associações de assistência às pessoas carentes.

O primeiro passo é se juntar e se mobilizar, convocando uma reunião através de telefonemas, cartas, anúncio na rádio local, panfletos e jornais, ou outros meios, para convocar as pessoas em relação à importância da criação da entidade que estão pretendendo.

 
O que deverá ser explicitado na reunião são os objetivos da entidade, sua importância, assim como sua necessidade, além da definição de uma comissão de preparação das próximas reuniões, com a divisão de tarefas e responsabilidades.

 
Deve ser formada também, uma Comissão de Redação do Estatuto Social, que deverá ser pequena e ágil, no sentido de formular e apresentar uma proposta de estatuto que será discutido, analisado, modificado (se necessário) e finalmente aprovado pela Assembléia Geral, sendo que neste dia, terão que ser providenciadas cópias para todos,



Preferencialmente ter a cópia de proposta de estatuto com antecedência de 30 dias, para que os membros desta entidade tenham conhecimento das propostas e sendo necessário apresentar emendas ou correções que visam a transparência na direção da nova entidade


SEGUNDO PASSO: ASSEMBLÉIA GERAL


A Assembléia Geral de fundação da entidade, na qual será oficializada a mesma, com a convocação de todos os interessados, deverá ocorrer após definida a missão da entidade e redigida a primeira proposta de Estatuto.

 
Esta Assembléia deve ser precedida de uma carta convite, contendo o dia, hora, local, além dos objetivos desta e da pauta da reunião.


No dia da Assembléia, deverá haver um livro de presença que registrará todos os interessados em participar da assembléia e um Livro de Atas, no qual serão anotadas as assembléias, assinadas pelos presentes.

 
Uma mesa dirigente dos trabalhos com um presidente e dois secretários deverá ser eleita pela Assembléia.



Após a leitura da pauta pelo presidente, este deverá encaminhar os debates, principalmente o do Estatuto.





TERCEIRO PASSO: ESTATUTO

 
A comissão deve ler o Estatuto e distribuir uma cópia para cada presente.

 
Cada artigo que a Assembléia ache polêmico, ou seja, destacado, deve ser discutido, modificado (se necessário) e aprovado.


Abaixo estão alguns itens essenciais que devem estar contidos nos Estatutos:


a) nome e sigla da entidade;


b) sede e foro;


c) finalidades e objetivos;


d) se os sócios respondem pelas obrigações da sociedade;


e) quem responde pela entidade;


f) os sócios e seus tipos, entrada e saída, direitos e deveres;


g) poderes, tais como assembléia, diretoria, conselho fiscal;


h) tempo de duração;


i) como os estatutos são modificados;


j) como a entidade é dissolvida;


k) qual o destino do patrimônio, em caso de dissolução.



QUARTO PASSO: A POSSE DA DIRETORIA


A eleição da diretoria deve seguir o que foi aprovado no Estatuto; e após eleita, deve ser conferida a posse dos cargos aos eleitos.

Finalmente, foi fundada a Entidade, entretanto, ela ainda não possui "status" legal, o que só ocorre após alguns procedimentos burocráticos.


QUINTO PASSO: COMO PROCEDER PARA O REGISTRO LEGAL


Devido à grande burocracia e às exigências específicas de cada cartório, é necessária muita paciência, pois sempre faltará algum item.


A documentação terá que ser reunida e encaminhada ao Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas, além de pagar as taxas, registrar o Livro de Atas, os Estatutos e publicar um extrato dos mesmos, aprovados no Diário Oficial.


A documentação, que poderá variar de acordo ao cartório, é a seguinte:


Cópias dos estatutos em papel timbrado;


Cópias da Ata de Fundação impressa, assinadas pelo presidente e demais diretores com firma reconhecida;

Livro de atas original;

 
Pagamento de taxas do cartório (se houver);

 
Cópias da Relação Qualificada da Diretoria (nome, cargo, estado civil, nascimento, endereço, profissão, identidade e CPF);



Cópias da relação de sócios fundadores;


Um resumo contendo os principais pontos dos Estatutos, que às vezes, é solicitado pelo cartório para que seja apresentado no Diário Oficial.

 
Todos estes documentos fazem com que a entidade passe a ter personalidade jurídica, mas no caso de realizar operações financeiras, abrir conta bancária ou celebrar contratos, é necessário também, que a entidade tenha o CGC.

 
Para isto, basta procurar uma delegacia regional da Secretaria da Receita Federal, com todos os documentos registrados no cartório, autenticados e carimbados e os documentos do responsável pela entidade.

Além disso, deve-se preencher um formulário padrão e dar entrada para obtenção do CNPJ.

Portanto, meus caros leitores, devemos ter muito cuidado com "letrinhas miúdas"!

Quando se quer transparência e agir sob a égide do temor a Deus e ter autoridade moral, seguimos os procedimentos como manda o Estatuto Maior: A Biblia Sagrada.!



















Bem-Aventurada é a Igreja que....!!

Bem-aventurada a igreja



Introdução: O santo ministério deve sentir gratidão, temor e responsabilidade com a Noiva do Cordeiro.

Sua eleição por Jesus Cristo foi consumada.

Os homens investidos da missão sagrada de apascentar podem levar a igreja a ser feliz ou frustrada, dependendo de como sobre ela atuam e operam.


1) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor é irrepreensível e não tem do que se envergonhar. I Tm 3. 1, II Tm 2. 15.


2) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor vive com sua esposa de modo exemplar em amor. I Tm 3. 2, Lc 1. 5-6.


3) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor e esposa são amigos dos filhos e os orientam no temor do Senhor. I Tm 3. 4-5.


4) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor sabe tratar seus obreiros auxiliares com respeito, acatamento e amizade. Sl 133, I Tm 5. 17.


5) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor é estudioso das Escrituras Sagradas e, ao ministrar, tem o que oferecer de edificante. II Tm 2. 2,Tt 2. 1.


6) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor é homem de oração e temor constantes. Cl 4. 12-13.


7) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor a ela se dedica, preparando-a como a noiva de Cristo Jesus. II co 11. 1-2.


8) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor é trabalhador, digno e incansável, na busca dos perdidos. Jo 10. 16.


9) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor não faz acepção de pessoas: é paciente com os fracos, afável com os pobres, simpático com os ricos. Tg 2. 1, I Ts 5. 14.


10) – Bem-aventurada a igreja cujo pastor tem a unção do Espírito Santo de tal modo que os lobos não conseguem iludi-lo. Jo 6. 15.


Conclusão: Bom e maravilhoso será para os tais ouvirem: “Bem está, servo bom e fiel”... “Entra no gozo do teu senhor!” Mt 25.21.



(Autor Desconhecido)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Sinto Vergonha de Mim..

Lindo poema, mais atual do que nunca !




SINTO VERGONHA DE MIM


Sinto vergonha de mim…


por ter sido educador de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
enveredar pelo caminho da desonra.


Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era que lutou pela democracia, pela liberdade de ser e ter que entregar aos meus filhos, simples e abominavelmente, a derrota das virtudes pelos vícios,


a ausência da sensatez


no julgamento da verdade,


a negligência com a família,


célula-mater da sociedade,


a demasiada preocupação


com o “eu” feliz a qualquer custo, buscando a tal “felicidade” em caminhos eivados de desrespeito


para com o seu próximo.



Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido, a tantos “floreios” para justificar


atos criminosos, a tanta relutância em esquecer a antiga posição de sempre “contestar”, voltar atrás


e mudar o futuro.

 
Tenho vergonha de mim


pois faço parte de um povo que não reconheço,enveredando por caminhos que não quero percorrer…


Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira para enxugar o meu suor ou enrolar meu corpo na pecaminosa manifestação de nacionalidade.
Ao lado da vergonha de mim, tenho tanta pena de ti,


povo brasileiro.


www.paginapoeticadecleidecanton.com/sintovergonha.htm


***


"De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto".






(Rui Barbosa)