quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Ministério não é negócio, não é emprego!



Pois é!

Não é somente cantores que agem desta forma, pregadores, conferencistas internacionais (made in paraguai) parece-me que virou circo do quem dá mais1

E o crescimento na área do evangelismo, hum....bem isso é outra historia!

Leia este testemunho e tire suas conclusões:

'Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, fora do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras.' Ezequiel 28:16

By Pr. Marcos Góes

Eles estão por toda a parte e são fáceis de achar.

Para todos os gostos e estilos, são capazes de trazer entretenimento a todo o tipo de pessoa ou culto, quer tradicional ou pentecostal.

Contextualizados e treinados nos “chavões” e no “evangeliquês” convincente, eles contagiam de maneira eletrizante as multidões e são capazes de envolver a muitos numa atmosfera religiosa em nome de Deus.

Para contratar os seus serviços não é tão simples assim, requer o cumprimento de uma gama de exigências, procedimentos inimagináveis que contando é impossível de se acreditar.

Grandes somas em dinheiro, toalhas brancas, carros conversíveis ou limusines, hotéis do mais alto padrão e número exigido em cada culto, para que a audiência não seja medíocre, são algumas das exigências solicitadas (não generalizando) por grande parte deles.

Num resumo bem rápido, é este o perfil dos cantores “gospel” que perfazem nosso cenário musical evangélico do Brasil.



Conheci o meio da música cristã em tempos remotos, lá pelo final da década de 70 e início da de 80, através de um cara magro, camisa semiaberta mostrando o peito cabeludo, com uma única mochila nas costa e um violão: Janires era o nome dele.

Este veio a ser mais tarde um dos meus mentores e também meu padrinho da casamento.

Líder do Rebanhão, toda a semana eu viajava com ele para as maiores aventuras que já vivi na vida em termos de evangelização comprometida com o Reino de Deus.

Saíamos à noite em cima de um caminhão cheio de caixas de som rumo aos teatros do Rio de Janeiro para fazermos um culto.

O que eu fazia?

Eu era o carregador de caixas: põe no caminhão, desce do caminhão...

Eu fazia isso muito feliz. Janires e o Rebanhão, juntamente com Helena Brandão (ex-Darlene Glória), iam aos teatros falar do amor de Deus não só para o povo mais simples, mas, principalmente, para os artistas.

Na plateia vi muitas vezes artistas renomados chorando ao ouvir a música e também o forte testemunho daquela mulher.

Eu chorava também!

Num canto do auditório, às vezes na penumbra, ficava imaginando se algum dia teria a oportunidade de fazer aquilo através da musica, falando do amor de Deus, e constatar muitos se entregando ao Senhor Jesus através do meu testemunho e da manifestação do Senhor Jesus usando a minha vida.

Janires morreu!

O “pão com mortadela” (nossa janta muitas vezes), a boleia do caminhão, as caixas de som JBL pesadíssimas...

Tudo isso se passou, mas algo ficou gravado com fogo dentro de mim: o forte testemunho daquele homem de Deus somente com as suas atitudes.

Todas as vezes em que olhei para Janires, vi que ele não se preocupava com nada para si, as pessoas a sua volta vinham em primeiro lugar.

Ao conversar com ele, você sentia sua enorme gratidão pela salvação de sua vida dada pelo nosso Deus, e por isso ele não parava de pregar esta maravilhosa salvação e graça sem requerer nada em troca.

Sem casa para morar e muitas vezes dormindo lá em minha casa, sem sequer saber o que, e como, iria almoçar ou jantar no dia seguinte, ele foi para mim um grande exemplo de total dependência, compromisso e sinceridade no servir ao Senhor. Sem comprometimento com os homens, somente com Deus.

Percebeu o contraste?

Entendeu qual o sentimento que habitava no coração de alguns dos principais iniciantes da música evangélica em nosso país?

O amor era o combustível e a motivação.

Ministério não é negócio, não é emprego!

Não se negocia, não se vende, não se troca o Reino nem o dom que vem da parte de Deus!

Coloquei o versículo de Ezequiel acima para alertar sobre a “multidão do comercio” a que o profeta se refere.

A profecia contra o rei de Tiro do capitulo 28, e nada mais nada menos que direcionada ao próprio satanás, e porque ele negociou o que Deus lhe deu e caiu, pereceu.

Sempre entendi e tenho muito temor a isso.

Não critico aqueles que recebem ofertas ou vendem os seus CDs nos eventos, pois também faço isso para manter o ministério e também sustentar a minha família.

Mas transformar isso numa barganha, num mercado de venda do “quem dá mais”, na disputa do reconhecimento humano e da melhor performance, a fim de ganhar o mercado e assim obter maior lucro e status...

Acho extremamente perigoso!

Continuarei guardando, Senhor, a tua palavra em meu coração (Salmos 119:11) e também a imagem dos olhos, palavras e atitudes de Janires, e perseverarei(ainda que venha a ser o último) a viver sem me corromper, sendo um eterno devedor, e não vendedor, desta misericórdia maravilhosa que um dia também me alcançou.

Em Cristo,
Pr. Marcos Góes

Link: http://marcosgoes.mktnaweb.com/ver_mensagem.php?id=H|2120|70507|132677214249364100

2 comentários:

  1. Outro dia passei por uma experiência de ganhar um presente depois ter ter falado às crianças de uma igreja. Me incomodou muito. Confesso que ainda reflito sobre coisas como tirar fotos dentro da igreja enquanto alguém canta ou traz a Palavra. Este post tem um grande propósito. Obrigada. Ah, decidi que na próxima vez vou avisar que não quero lembranças. Não se negocia.Que Deus tenha misericórdia de nós.

    ResponderExcluir
  2. Ah! o saudoso Janiris de tantas conversas, oracões... foi bom vê-lo citado aqui.
    Paulo Franke
    Finlândia

    ResponderExcluir

VITÓRIA DE DAVI SOBRE A TRISTEZA

VITÓRIA DE DAVI SOBRE A TRISTEZA Texto: Salmos 34.19 INTRODUÇÃO:  Um homem que enfrentou muitas crises. I. UM JOVEM DE FÉ a. ...