terça-feira, 17 de abril de 2012

O Verdadeiro e o genérico....cuidado!

O Verdadeiro e o Genérico!







Parece, mas não é Igrejas e congregações independentes adotam indevidamente nomes de grandes denominações com as quais não mantêm qualquer vínculo.




Um fenômeno decorrente do crescimento do segmento evangélico está chamando a atenção de algumas das mais tradicionais denominações do país.


É a clonagem de nomes de igrejas, utilização indevida de marcas tradicionais no meio protestante por instituições sem qualquer ligação com as grandes convenções, cujos nomes utilizam numa tentativa de atrair fiéis e de tirar uma casquinha na credibilidade alheia.


Em meio a um crescimento com ares desordenados – só em São Paulo, a cada ano são criadas cerca de 220 novas igrejas evangélicas, algumas das quais não passam de salinhas alugadas nas periferias –, parece cada vez mais difícil normatizar o setor.


E o pior é que, além de gente bem intencionada que quer apenas anunciar o Evangelho da salvação, aventureiros pegam carona na tradição de grandes organizações religiosas, prejudicando sua imagem perante o público.


No meio das mais de 300 mil igrejas evangélicas que funcionam no Brasil, muitas parecem uma coisa e são outra.


Denominações como a Batista, a Assembleia de Deus e a Presbiteriana são as maiores vítimas da clonagem eclesiástica.


Organizadas em convenções nacionais, essas três gigantes, que juntas reúnem milhões de fiéis, estão capilarizadas por todo o território nacional, com uma trajetória cuja origem remonta à segunda metade do século 19 e início dos anos 1900.


Mas a placa na entrada não é garantia de legitimidade.


Muitas comunidades autônomas, sem qualquer ligação administrativa ou doutrinária com as denominações cujos nomes utilizam, funcionam livremente.


Na zona norte do Rio de Janeiro, por exemplo, é possível encontrar a Assembleia de Deus Ministério Renovo e a Igreja Batista Templo de Milagres, que apesar dos nomes não são subordinadas às entidades cujas nomenclaturas adotam.


A clonagem eclesiástica preocupa líderes evangélicos.


“Nós estamos acompanhando isso com muita perplexidade, porque essas igrejas estão nos causando grande prejuízo”, diz o pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil (CGADB).


Reeleito no mês de abril(2009) para mais um mandato à frente da maior denominação evangélica nacional, Wellington diz que a Assembleia de Deus é uma das mais afetadas pelo problema, pois acaba tendo seu nome respingado por qualquer atitude errada de religiosos free-lancers.


“Muitas vezes, os pastores dessas igrejas não têm boa formação eclesiástica, espiritual, moral e até cultural para o exercício do ministério.


Por isso, causam desordem doutrinária em seus púlpitos”, observa.


Um dos principais prejuízos acontece na área financeira.


Segundo Wellington, eventuais desmandos ou calotes perpetrados por dirigentes de congregações clonadas sujam o nome da denominação.


“Quando precisamos fazer alguma transação ou giro bancário, temos de provar por A mais B que não somos esse tipo de gente”, reclama.


O presidente diz que está nos planos da denominação fortalecer seu Corpo Jurídico para acionar a Justiça em alguns casos.


“Claro que primeiro tentaremos a via diplomática, solicitando a troca do nome”, adianta.






(VAI CONTINUAR) .......

Um comentário:

  1. Buscam um nome para dar credibilidade, e que mascare a atitude de rebeldia e insubmissão, mas Deus não se deixa escarnecer, a colheita virá. E quebrando princípios bíblicos de autoridade, pensam que serão aceitos e respeitados como autoridade, mas terão que conviver com o descrédito e a desconfiança.

    ResponderExcluir

VITÓRIA DE DAVI SOBRE A TRISTEZA

VITÓRIA DE DAVI SOBRE A TRISTEZA Texto: Salmos 34.19 INTRODUÇÃO:  Um homem que enfrentou muitas crises. I. UM JOVEM DE FÉ a. ...