sexta-feira, 8 de julho de 2011

Pastores e Inversão de valores!!

Meus caros irmãos em Cristo!

Confesso publicamente que estou pasmo com os rumos que muitos que se dizem pastores, lideres; presidentes de ministérios, convenções e afins, estão tomando!!

Principalmente no que respeita a ordenação de novos ministros para a seara do Senhor!

Fui ordenado ao Pastorado há exatos 30 anos em 12 de Julho de 1981!

Jovem ainda... 30 anos!

Como o tempo passa e parece-me que foi ontem!

Naquela época ser pastor era algo difícil de alcançar, os tempos eram outros!

Não se ordenava ninguém para aumento de cacife eleitoral, demonstração de grandeza ministerial!

Ordenava-se pelo chamado, vocação e desprendimento em relação ao ministério.

Ser pastor não era olhar a Igreja como cabide de emprego!

Ser pastor era sinônimo de servo!

Hoje quando se fala em ordenação ministerial logo se pensa: Será que a Igreja está crescendo na mesma proporção do “ministério” são centenas de consagrandos e não importa se está com processos nas costas, se estão devendo para a lei Maria da Penha, se há divórcios vergonhosos e descabidos; há os que apenas mudam de cidade e não de vida e logo, logo estão no centro das atenções, não importa que famílias ficassem magoadas, desviadas, amarguradas, no prejuízo financeiro, moral, espiritual.

Acho interessante quando um destes “pastores” arrumam confusões e periféricos, mudam de campo e com a conivência de “amigos” que sempre acham um meio de “ajudar” e seguem mudando daqui para acolá, erram e não se humilham, acham que Igreja é propriedade particular.

Dão autonomia a congregações e colocam ali em detrimento dos que suaram a camisa no campo, dez, quinze, vinte ou mais anos ficam chupando o dedo, e o filhinho do papai, genro, cunhado, assumem e não estão nem aí para o que possa acontecer!

Diga-se de passagem, que não sou contra que um filho de pastor assuma igrejas ou campos, ministérios, desde que reconhecidamente tenha vocação para tal mister!

Mas?

Empurrado de garganta abaixo?

Em surdina?

Lembramos: A Igreja não é nossa propriedade particular, senhores pastores!

Meus caros!

Oremos ao Senhor, e que se levantem profetas do naipe dos antigos profetas, cujo compromisso era com a Palavra de Deus!

A Inversão de valores de hoje fazem corar os mais simples conhecedor da Bíblia Sagrada!

O Testemunho pessoal foi para o fundo do poço e jogado aos que têm prazer em zombar dos pequeninos do Senhor!

Ai daquele que por ele vir o escândalo, aliais Jesus tratou disso e aconselhou a por uma corda nos pescoço e amarrar a uma pedra e se lançar...

Mau testemunho é pior que suicídio!

Mas como resolver isso?

Dependerá dos líderes, oradores, conselheiros, escritores e agentes de posições similares, propagar os bons conceitos e incutir o repúdio à má conduta, bem como reconhecer com apreço os bons costumes.

A inversão de valores compromete o convívio social e deve ser combatida com rigor através de pessoas comprometidas com o desenvolvimento humano e o progresso social

A inversão de valores é uma consequência do relativismo existente em nossos dias.

Podemos entender o relativismo como sendo a ideia de que todos os pontos de vista são tão validos e certos quantos outros, e que o individuo é a medida do que verdade para si.

Não existe uma verdade absoluta, cada um pode ter uma verdade para si.

De acordo com a sua conveniência, e fazer o que lhe apraz, de acordo com essa designação de verdade.

Neste tipo de posicionamento, todas as coisas são relativas, inclusive Deus (cada um tem o seu e acredita no que quiser), a Bíblia (é valida apenas para os cristãos, não para todas as pessoas), o Senhor Jesus Cristo (que deixa de ser filho de Deus para ser uma figura histórica importante) a fé e a salvação (cada um tem o direito de buscar para si uma forma de aproximar-se de Deus, sem que Jesus seja considerado a única forma dessa aproximação).

Se tudo é verdadeiramente relativo, Deus pode existir ou não, e o que ele diz sobre a verdade pode ser limitado àqueles que consideram a bíblia como sendo a palavra de Deus.

Com base nessa premissa, um Hitler pode matar milhões de pessoas por considerar que são pessoas fracas, incapazes ou indispensáveis, pois a verdade para ele está centrada na superioridade de sua raça em relação às outras, que devem ser dominadas e dizimadas.

A verdade, no relativismo, varia de acordo com o lugar, com a época e com as pessoas.

Curiosamente falando, não se questiona a relatividade de leis naturais consagradas.

Sobre aqueles que invertem os valores estabelecidos por Deus disse Isaias:
- Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem, chamam mal!

Que fazem da escuridão luz, e da luz escuridão, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo!

Ai dos que são sábios aos seus próprios olhos e prudentes diante de si mesmos...

Dos que justificam o ímpio por presentes e negam a justiça!”, Is. 5.20-23,
Deus não se encarregara de trazer a juízo essas inversões de valores e seus proclamadores.

Estamos falando de uma diferença crucial existente entre os padrões espirituais de conduta e a prática do mundo moderno.

Definitivamente não há comunhão entre a luz e as trevas, e a Igreja precisa se precaver contra as astutas ciladas do diabo.

Vale aqui a recomendação de Paulo:

Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça?

Ou que comunhão tem a luz com as trevas?

Que harmonia há entre Cristo e Belial?

Ou que parte tem o crente com o incrédulo?

E que consenso tem o santuário de Deus com os ídolos?

Pois nós somos santuário do Deus vivo, como Deus disse: Neles habitarei e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus, eles serão o meu povo.

Pelo que, saí vós do meio deles, e separai-vos diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor todo poderoso II Cor. 6:14-18.

Desde os primeiros momentos da humanidade, percebemos esta artimanha satânica para enganar o homem.

A primeira família caiu, porque desobedeceu a Deus, enganada pela serpente, iludida por suas promessas e fantasias. Gen. 3:1-7.

A função de satanás é mentir, enganar, perverter, falsificar, ludibriar, mudar a aparência, tornar o bom em ruim e o ruim em bom.

Muitas Igrejas e famílias têm se deixado levar pelas falsas aparências de santidade; espiritualidade de certas práticas religiosas; boas intenções de certos apelos; qualidade de algum produto; honestidade de alguns programas; etc.

A vista engana, por isso devemos olhar com os olhos de Deus “Pois o Senhor não vê como vê o homem. O homem olha para o que está diante de seus olhos, mas o Senhor olha para o coração” I Sam. 16:7.

Veja bem o que estou dizendo: festas, programas, colégios e cursos, amizades, envolvimentos, conversações, brincadeiras e vários outros tipos de comprometimentos que parecem em principio, ser tão ingênuos e sem complicações são, muitas vezes, agentes de satanás para perverter, desencaminhar, obscurecer, afastar, minar a fé e fazer com que gente criada na Igreja, hoje, esteja de paquera com o mundo, se não completamente comprometidos com o mundo, com o pecado e as coisas desta vida.

Muitos pais são completamente ingênuos em conduzir seus filhos.

Estão sendo por eles ludibriados, estão sendo passados para trás.

Vale aqui a recomendação de Tiago “Se alguém de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus” 1:5

Há grupos ditos evangélicos envolvidos com bebida alcoólica, e agora também com drogas e tráfico de drogas dentro das Igrejas.

Pastores envolvidos com álcool; motel, fraudes contábeis, relatórios fantasiosos, nepotismo descarado, vivem de forma nababesca, negociatas e acertos esdrúxulos, falta de transparência administrativa, não prestam contas de seus atos, ditadores: (Quem manda aqui sou eu), infiéis nos tratos, tratam e não cumprem o que foi combinado com a diretoria, presbitério, ministério e igreja, verdadeiros perdulários! e etc...

Precisamos ter cuidado com as armadilhas de satanás!

A inversão de valores na igreja.

Deve se observar que a inversão de padrões anteriormente estabelecidos precisa ser respeitada.

Os costumes até podem variar com o tempo, mas os princípios não.

Deus estabeleceu princípios imutáveis e absolutos em Sua palavra, pois Ele mesmo é imutável e absoluto, e devemos andar de acordo com Seus princípios.

A igreja, como representante de Deus, deve apontar as distorções no mundo, mostrar a verdade e principalmente, estar atenta para que essas mudanças não atinjam nossos arraiais.

Um exemplo disso é o divorcio e novo casamento, que tem sido aceito em determinados grupos cristãos e continua sendo condenado pela bíblia.

Para que a igreja tenha essa imparcialidade, é preciso que a palavra de Deus seja continuamente ensinada e praticada, e que os crentes sejam motivados a viver dentro dos padrões absolutos de Deus.

Preocupo-me com essa inversão de valores, mas continuo acreditando que o crente em Jesus pode a cada dia se conscientizar e procurar seguir os padrões estabelecidos por Deus em Sua santa Palavra.

Isto posto, peço humildemente a Deus ajudar-me a refletir sobre este assunto e não compactuar com certas atitudes nada cristãs!

Deus tenha piedade de nós!

2 comentários:

  1. Prezamigo pr. Daniel Acioli,

    A paz de Cristo, o nosso Senhor!

    Eu e a minha esposa, lemos juntos, este texto que nos permitiu verificar a nobreza e a preocupação real, com o que passa em nosso meio.

    Muito triste, querido pastor, saber da tamanha leviandade, que está prevaricando, dentro da igreja, claro, falo sobre a de pedra, pois certamente, a igreja invisível, a verdadeira, a que será arrebatada, a que luta com todas as forças para estar preparada, a que vive a expectativa, de a qualquer momento ouvir o soar da Trombeta de Deus, esta certamente, não está desligada da natureza santa e cuidadosa, com as promessas de Deus, sim, esta pode gritar um Aleluia, bem diferente dos gritos histéricos e emocionados pela carne!

    O seu texto, embeleza a necessidade, de muitos mais, tornarem-se de fato preocupados com os propósitos da igreja, e verificarem por que atalho entraram, muito longe do caminho da verdade. Triste! E retornarem daí....

    Muitos decidiram desafiar a Deus, fazendo prosperar a sua sua própria vontade, e deixaram de lado os ensinamentos simples do nosso Senhor Jesus Cristo, em benefício próprio. Triste!

    Conheço um pastor brasileiro(nos EUA), que largou a sua esposa de trinta anos de casados, para casar com uma de 34 anos de idade. E pior, é pastor em uma das cidades de São Paulo no momento. Triste!

    Outro caso pastoral, em que largou a esposa com filhos no Brasil, e casou-se de novo nos EUA, onde vive até hoje. Presidente de uma Assembléia de Deus nos EUA.

    Outro caso pastoral, em que decidiu vender a igreja com os membros em troca de um salário especial de acordo com o número de membros.

    Em tempo: Isto aconteceu algumas vezes.

    Será bom informar que, consagraram muitos ao cargo de pastores para exercerem o direito de voto no apoio aos seus líderes.

    Casos de documentação falsa para que alguns conseguissem o documento de legalização nos EUA.

    Infelizmente, hoje, podemos afirmar que são muitos, os pastores que sucumbiram diante da mentiram e se escondem no Brasil, com cara de santo. Triste!

    Vários deportados pela mentira e alguns foram presos por documentos falsos. Triste!

    Devemos reavaliar para não perdemos mais, o nosso valor, que está tornando-se insignificante, diante da balbúrdia ministerial que enche os púlpitos de gravetos, muitos já queimados, pela sua participação que desmoraliza aos que lutam com o desejo de proclamar o evangelho da santidade e da consciência diante de Deus.

    Estaciono por aqui... se abrir mais, a minha boca, poderei ferir a alguns que se escondem nas trevas para tentarem de alguma forma, se ver como luz, apesar de estarem apagados no erro. Triste!

    O Senhor seja contigo, nobre atalaia!

    O menor de todos os menores. Alegre por esta sua atitude.

    ResponderExcluir
  2. Paz do Senhor Pastor;
    Infelizmente realmente o relativismo tem ganho muito espaço entre os que se dizem cristão. Tenho posto em meu coração orar pelas lideranças das igrejas, alias faço sisso porque acredito ser esse um dever de todo cristão, pois, infelizmete a tendência ao mal parece maior, porém, acredito que Deus também é justiça e um dia fará com que cada um responda por suas atitudes. Quem dera que como Paulo - 2 Coríntios 6:3 - houvesse preocupação de todos quanto aos cuidados com o ministério, e, com toda a igreja. Mas, acredito que ainda há homens fieis a Deus mesmo em meio a tantas dificuldades. Que Deus abençõe a estes!
    Claudinéia
    http://pingofeliz.blogspot.com/

    ResponderExcluir

AS MARCAS DO DISCIPULADO

AS MARCAS DO DISCIPULADO        Textos: Mateus 16.24 INTRODUÇÃO:  Paulo trazia no corpo as marcas de Cristo Jesus (Gl. 6.17).    ...